Tutores acusam petisco de causar intoxicação em 104 cães; 12 mortes estão em investigação

Tutores acusam petisco de causar intoxicação em 104 cães; 12 mortes estão em investigação

Um grupo de tutores está acusando uma marca de petiscos como causador de mortes e internações de cães intoxicados. Até então, foram registrados 104 casos suspeitos de contaminação de pets, de acordo com informações do G1. A informação foi compartilhada entre 125 tutores que fazem parte de um grupo de WhatsApp criado para articulação e registro de ocorrências no país.

 

De acordo com a organizadora da movimentação, Nayele de Freitas Guidetti, todos esses casos foram devidamente comprovados por boletim de ocorrência, denúncias, número do lote do petisco, local de compra, nota fiscal e dados pessoais dos tutores.

 

Em Belo Horizonte, de acordo com a Polícia Civil (PCMG), até o momento, são 18 internações e 12 mortes em investigação.

 

Nesta semana, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) mandou retirar de circulação dois lotes de propilenoglicol, da marca Tecnoclean Industrial.

 

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) identificou que esses lotes específicos foram contaminados por etilenoglicol, substância altamente tóxica. Afirmou também que este propilenoglicol adulterado foi usado na fabricação de petiscos para cachorros e pode ter sido responsável pela morte dos animais. 

Comentários

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Irecê Repórter, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.